Coisas do Coração

O dia da alta

Posted in Coração, saúde by adilson borges on 29 de março de 2009

Adilson Borges

(Para a Galeota e outras turmas)

Eram 9h45 do dia 26 de março de 2009 quando o cardiologista Eduardo Novais, da equipe do cirurgião Nilzo Ribeiro,  chegou ao apartamento 147 do hospital . Com os olhos rasos dágua, fez pose de Bial e proclamou: “Adilson Borges, tenho uma péssima noticia para você: Você está eliminado do Big Brother do Aliança”. Abracei-o com força e dei um beijo na bochecha cheirosa e raspada.
Olhos ainda inundados, segurou minha mão e ficou alisando com tanto carinho como jamais um homem fizera. “Você está curado. Aqui estão os resultados dos últimos exames”, mostrou os envelopes. “Você está curado, curado”, repetia, repetia , com um entusiasmo de quem já sabia e ao mesmo tempo parecia não saber. “Você está de alta , vai viver uma vida sem limite, quando digo sem limite é sem limite mesmo, poderá jogar bola, lutar boxe e até fazer jumping, tudo a seu tempo após o período de recuperação da cirurgia”, exaltava-se ao seu modo sereno.
“Curado, curado e 50% da cura foi feita por sua mulher”, apontou para a assistente social Marília Menezes Pessoa, de 38 anos. O nariz de Marília se transformou num pimentão vermelho drenando líquido igual ao minúsculo e derradeiro ferimento de meu corpo, o da perna direita de onde saíram as duas pontes de safena que a enfermeira cobria respeitosamente

A  mãe de Rosalvo

Dulcinéia, a técnica de enfermagem que cuidava de mim toda manhã quase com o mesmo amor e ciúme que tem do filho Rosalvo, de 19 anos, apareceu com a cadeira- de- rodas, sorriu com aqueles olhos castanhos e jogou o linguajar especifico. “É sempre assim, chegam todo molinho, tenho até de dar banho. Quando ficam durinhos, começam a esconder o corpo e logo depois vão embora. Vambora, seu Adilson”.

Cuspe , lágrimas e reflexão

Quando a cadeira deslizou pela recepção, fiz o maior sucesso, entre a turma da área de saúde e pessoal de apoio. Entusiamado, comecei a soluçar pedaço de um poema que aprendi quando ainda não sabia chorar:

“Jamais gostei das despedidas / Elas sempre me deixaram saudade / mesmo quando era imensa a vontade de partir” .

 Dulcinéia jogou os olhos para mim, emocionada. “Acho que é de um cara chamado Dirceu Régis”, balbuciei. “Mas é lindo, cara! Este seu Adilson!” Com a boca cheia de cuspe e lágrima retruquei: “Esta Dulcineia!”. Toda doçura, Marília alisou meus cabelos e botou a mão no ombro dela.
Marcos, o auxiliar de enfermagem com cara de tocador de cavaquinho, estendeu a mão e me balançou o braço do lado direito da forma que , quando de bom-humor, eu ironizava : “Ainda bem que não é lado da mamária”. Me deu vontade de um abraço e talvez de um beijo naquela pele preta luzidia. Mas teria que tirar a manta (tinha manta? Acho que não) esticar a perna magoada, levantar da cadeira. Preferi a autoironia silenciosa:

“Chega de beijo em homem, isto tá parecendo viadagem”.

Anúncios