Coisas do Coração

Mamãe, eu quero mamária!

Posted in Coração by adilson borges on 15 de maio de 2009

galeota do carnaval

Caderno de autoajuda:

1) Evite ficar sozinho sempre que estiver se preparando para ganhar duas pontes de safena e uma mamária.

 A última sessão da Galeota, antes da cirurgia foi a mais animada.  Ao leitor apressadinho explico logo: Galeota é o nome da reunião etílica, poética e musical que, vez em quando, faz a galera valente do jornal A TARDE  (Salvador, Bahia, Brasil) atravessar a passarela e ancorar, na Casa do Comércio, madrugada adentro. O manifesto da Galeota, que virou comunidade no Orkut há um ano (29 de maio de 2008), explica mais.  E melhor:

 “A Galeota é o prazer, depois do cansaço, a irreverência, o não-compromisso, o vinho, a cerveja, o sorriso, a besteira, a comida, o bolo falso, o violão e o beijo, o boné inesperado, o sorriso, a galhofa, a ironia, a noite que logo se exaure, a volta pra casa e a sensação do dever cumprido e de que vencemos a morte e a despedida, e celebramos renascimentos e encontros mais uma vez”.

 2) A verdade está no meio de tudo. Procure-a.

 Algum espírito-de-porco há de insinuar que o sumo da alegria do dia 18 de fevereiro seria o sentimento de despedida. Como em tudo há verdade, até na alma suína, por que não concordar? Quem sabe quando a hora é de “Adeus” ou de “Até logo”?  Ninguém. 

Por isso, é bom aproveitar. Só se vive uma vez.  Há, no entanto, quem discorde desta última afirmação. Para evitar que a porca torça o rabo aí, não se deve afirmar nada tão categoricamente.  Mas basta uma verdade: a festa foi legal,  foi boa, foi ótima!

3) Deus ajuda a quem madruga e não chora. Orvalho é mais doce que lágrima.  

Com fantasia, confete, serpentina, máscaras, apito, a Galeota virou baile do Carnaval. O aquecimento começou cedo, na tarde daquela quarta-feira. A cada hora, pintava o sinal, e a gente explodia em alegria, na redação. Apitava, gritava, Agitava. O tema, numa alusão às saudosas marchinhas, mas irreverente como sempre, foi dos mais comentados: “Mamãe, eu quero mamária”.

Fechado o jornal do patrão, saiu o cortejo espalhando fantasia pela Tancredo Neves quase deserta. Personagens não-identificados, Drácula, mulheres-gatos, Oxum, invadiram a Casa do Comércio. “Aviso que eu hoje eu vou chegar mais tarde”, liga o garçom para casa. “De novo?”, alguém diz do outro lado. “É tá todo mundo aqui. O negão com o violão, o viado, o rapaz alto que gosta de música brega, a moça que coça o cabelo e aperta os olhinhos, a outra de olhos discretos que só degusta vinho…”

3) Faça por merecer que o dia amanhece

Sem ponto e maiúsculas no lugar certo, e com vírgulas estranhas, a reportagem da festa pode ser conferida na comunidade da Galeota:  

foi uma beleza só a Galeota do Carnaval, na quarta, 18 de fevereiro A portabandeira não apareceu, e perdeu A gente, com máscara e fantasia, ou de careta, gozou, gozou Bira fez sua estreia e tocou violão, navarro cantou, gil a tudo fotografou, oxum baixou e a bela lilia bailou, bailou, marcia sambou sambou sambou bonito em três tempos, olhos-lindos sorriram, sorriram, drácula sentiu aperto no coração, mas não era dor, era emoção Felicidade que fizemos por merecer Todo mundo brilhou, brilhou
O dia amanheceu. Sem lágrimas nem orvalho”.

 

 

 

 

Anúncios

A história do meu último suspiro

Posted in Coração by adilson borges on 12 de maio de 2009

 

 

“Fumar é um jeito discreto de ir queimando as ilusões perdidas. Daí esse ar aliviado e triste dos fumantes solitários. Vocês ainda não repararam que ninguém fuma sorrindo?”  ( Mário Quintana)

 

Qual a sua atividade profissional? Sou jornalista, respondi. O médico continuou fazendo as perguntas clássicas, que chamam de anamnese, antes de iniciar o tratamento. Estado Civil? Idade? Doenças? Saúde da família?  Eu já estava pensando que não ia escapar daquela vez. Mas o diálogo mudou:

– Por que você quer deixar de fumar?

– Eu não quero deixar, não

– Não! E por que o senhor está aqui?

– Por causa dela, minha mulher, que marcou a consulta e me trouxe.

O médico balançou a cabeça, chamou Marília e disse que eu ainda não estava pronto para deixar de fumar.

“Puxa, Adilson, por que você não me disse isso! Fazer eu perder uma tarde de trabalho, pagar consulta. Puxa, assim, eu desisto!” , desabafou Marília, no caminho de volta mas não desistiu. Quatro ou cinco anos depois de muita conversa, acertou comigo que eu deixaria de fumar em 15 dias.

Marcou a data e comprou uns emplastros à base de nicotina para colar no ombro. “Vou ficar viciado nestes adesivos”, eu ironizava, mas torcia para dar certo. No dia marcado na agenda preta dela, a casa amanheceu “limpa”. Isqueiros e até fósforos sumiram, cinzeiros também. Café não rolou, refrigerante também não, só chá e a alimentação foi mais leve, mas muito saborosa, com bastante salada.

Pongado no meu ombro, o emplastro com minha dose de nicotina tinha efeitos contraditórios.  Amenizava a vontade de fumar, mas provocava um coceira…que me fazia lembrar do cigarro. Nestas horas, eu procurava pensar em outra coisa. Às vezes, lembrava de Mário Quintana: “ Fumar é uma forma de suspirar”. E, para subverter a frase a favor do tabaco, respirava fundo, afastando-me  do vício. 

Tudo ajudou, mas o  remédio que considero mais eficaz, além do emplastro, é claro, foi a água. Troquei a nicotina pela água. Acho que até hoje estou viciado em H2O. Assim, depois de 33 anos ininterruptos de tragadas, pelo menos um maço diário, eu passei, finalmente, um dia e uma noite sem fumar.

 

Em busca da ilusão

Entre dezembro e janeiro deste ano de 2009, cerca de 10 anos depois de parar de fumar, eu estava correndo de médico a médico doido para que algum dissesse que eu não precisaria de duas pontes de safena e uma mamária. Primeiro havia virado poltrona de clínica na esperança de que um especialista proclamasse que não haveria necessidade de fazer cateterismo.  Como não encontrei esta alma vendedora de ilusão, já me sentiria feliz comprando a esperança de fazer angioplastia, procedimento menos invasivo, feito, como o cateterismo, através de uma artéria na virilha. Nem isso  encontrei, todos achavam que eu deveria cair na faca.

Então ter deixado de fumar  não ajudara nada?  “Se você continuasse fumando, acho que você não estaria aqui conversando comigo agora”, disse o cardiologista Juarez Magalhães, olhos voltados atentamente para o resultado do cateterismo feito pelo doutor Heitor Carvalho, uma dos nomes mais importantes da angioplastia do Estado.

O coraçãozinho tricolor

Posted in Coração by adilson borges on 28 de abril de 2009

O Bahia, que perdeu de 2 X 1 para o Vitória lá dentro do Pituaçu, continua maltratando o coração de meu filho Chico, de 11 anos.

O bichinho acordou tão contente no domingo (26 abril), vestiu camisa, calção e sandália do time, passou a manhã gritando Bahêêêaaaaa e provocando os amigos e parentes “vicetória”, sobretudo o padrinho, Roberto Brito, a quem ligou para dizer que o tricolor iria ganhar de 3 X 0. 

Dormiu tristonho, acho que nem olhou para o cartaz eternamente pregado na porta do seu quarto: “Aqui dorme um tricolor!”

Agora, o Bahia vai ter que ganhar do Vitória no Barradão por uma diferença superior a um gol.

Especialista em ecocardiografia, o atenciosíssimo doutor Marco André Moraes Sales me conta a história assombrosa de um paciente que foi ao Barradão 15 dias depois de submerter-se à cirurgia de ponte de safena e mamária. Levou uma cotovelada tão violenta que teve de voltar à mesa de operações.

Mesmo assustado, se eu tivesse a fé que sustenta Chico, não daria bola para este episódio, doutor Marco. Superaria minha quase indiferença pelo futebol (sou Bahia, quando me perguntam), esqueceria a cirurgia de que estou me recuperando e o levava, à toca do inimigo, para gritar Bahêêêaaaa.

O coração tem razões próprias.

 quarto-do-tricololor

Um lugar distante da dor

Posted in Coração by adilson borges on 21 de abril de 2009

inverno-modificad 

 

 

Divido em duas etapas minha experiência com anestesia, no dia 17 de março, quando fui submetido à cirurgia para revascularização do miocárdio (ponte de safena e mamária). A primeira deu-se por volta das 8h30 às 14h30, quando tive uma reação semiconsciente. Ao emergir da anestesia, na UTI, vejo-me tentando arrancar os tubos que me sufocavam. O terror não foi maior porque fui avisado de que poderia despertar “entubado”. Desta forma, mesmo lutando contra o que me oprime, chego a racionalizar, “o doutor me avisou que isto ocorreria”.  Em outro momento, sinto-me livre e penso, “ah, enfim, estou solto”. 

De nada mais lembro neste período. Marília, minha mulher, e Vina, minha ex-mulher entraram juntas na UTI e foram as primeiras pessoas, exceto integrantes da equipe do hospital, a me rever, digamos, com sinal de vida.

Mães dos meus quatro filhos (Francisco, com Marília; Cristiana, Saulo e Emiliano, com Vina), elas passaram a manhã angustiadas à espera desta hora no espaço reservado aos familiares. Passado o nervosismo, conversaram ao meu lado. Vina chegou a fazer piada sobre meu estado de lassidão, parecendo ausente, desmaiado ou dormindo indiferente a toda presença.

Nada vi. Nada ouvi. Nada senti. Contaram-me tudo, inclusive que, inesperadamente, eu teria começado a ficar agitado, o que, presumo, coincidiu com a consciência do entubamento. Soube, mais tarde, de uma forma inconveniente por parte de uma ‘pesquisadora’ interessada em saber minha reação, que fui “contido mecanicamente”, eufemismo para “amarrado”.

As duas mulheres foram convidadas a se retirar da sala. Dirigiram-se então animadas para fazer um relato da minha situação aos outros familiares, que lá fora as esperavam.  Adelmo, meu irmão mais velho, mais entusiamado repetiu a chiste que sustentou toda a manhã, irritando minha filha: “Ele deve ter ficado frustrado, Vina (técnica em enfermagem), porque agora não dão mais lavagem, como você disse que haveria, antes da cirurgia”.

 

Paz total

A que se pode comparar a sensação de tomar anestesia geral?  Dormir não é referência, pelo menos no meu caso. A não ser que considere a possibilidade de dormir sem o período prévio da sonolência, sem nenhum registro consciente do que chamamos de realidade objetiva e sem sonho algum. Nem sonho nem pesadelo.  Nada. É como se a gente, existindo, deixasse de existir. Mas sem consciência desse processo. Químico, físico e biológico.

Nunca saberei, mas desconfio que foi só na primeira etapa da minha experiência, quando não havia som, luz, idéia de espaço e tempo, que experimentei aquela sensação única, indefinível e que foi a que me ficou da anestesia: um sentimento de paz inexplicável, como se nada mais importasse, nada mais fizesse sentido, só a paz.

 

Segunda etapa

 

Acho que após a luta contra os tubos opressores, devo ter sido nocauteado pela mistura dos poderes dos anestésicos e do sono. Nunca saberei. A verdade é que, consciente em torno da minha realidade, despertei por volta da 21h30 (havia um grande relógio em frente a minha cama),  sem dor, um tanto descansado. Ainda não racionalizava, mas obviamente contente por ter “voltado”.

Alguém da equipe de saúde perguntou como estava, e eu expressei meu contentamento, não me lembro se por palavras ou gesto. A verdade é que estava bem disposto, até com uma fomezinha, igual àquela que a gente sente quando acorda numa pousada agradável num fim de semana de sol.

“Tenho uma visita para você”, disse a enfermeira, braços dados com Marília, que olhava para mim, o renascido, como Maria deve ter olhado Jesus pela primeira vez na manjedoura. Mas eu, negro baiano, muito distante daquele mistério dos cristãos, estava tão berm disposto que não resisti à gaiatice na minha primeira fala com consciência:  

 

“Oh, que bom ver você de novo, Mariana”, disse olhando com ternura para Marília.  A enfermeira (ironia?), manteve-se firme, “se a visita não é aqui, desculpe, mas vou levar”. Marília chorou gotas de desespero antes de balbuciar, “que Mariana, Adilson? O que é isto, meu amor?” Aí, eu senti um aperto no peito, seguido de uma sensação alagadiça nos olhos. Estendi o braço e falei em forma de perdão, carinho e paz:

 

“Oh, meu amor, eu tava brincando!”